HOME SITE

Últimas Novidades:

set
01
2015

Guiando na chuva – Um guia para as estações molhadas (Parte 2)

Olá colegas da Magnetron e leitores do blog Nação Duas Rodas! Hoje temos a segunda parte daquele guia maroto sobre pilotagem durante tempestades e chuvas fortes. Veja ou relembre a primeira parte deste guia aqui!

 

E sem mais delongas…

 

…Quais os aspectos devo levar em conta ao conduzir uma moto sob vento e chuva?

 

Para conduzir uma moto sob vento e chuva com a máxima segurança, é necessário atentar para os seguintes aspectos:

 

 

  • A tração da moto.

 

 

A água da chuva faz com que o asfalto fique mais sujo, o que faz com que os pneus da moto percam parte da sua aderência. Depois das primeiras pancadas de chuva, a sujeira e os resíduos de óleo e combustível acumulados na estrada formam uma camada escorregadia que dificulta a aderência de um veículo de duas rodas.

 

Uma forma de testar a tração da moto passa por pressionar, de uma forma rápida e cuidadosa, a alavanca de freio traseiro. Trata-se de um teste que também funciona com o piso seco e é uma forma de ver como o pneu está “agarrando a estrada”. Deve ser feito apenas numa parte plana da estrada e não em curvas, caso contrário a roda traseira sairá da trajetória desejada. Também é importante conferir a pressão dos pneus, pois se estiverem 30% abaixo do recomendado, a probabilidade de sofrer aquaplanagem aumenta muito.

 

No entanto, os motociclistas devem ter em atenção que existem determinadas zonas de risco na condução de uma moto ao vento e à chuva como, por exemplo, os pavimentos que foram recentemente pintados, reparados ou recapados, algumas superfícies de concreto e estradas com pedrisco, areia ou óleo.

 

 

  • Como andar em segurança

 

 

Naturalmente, as palavras de ordem para andar de moto em segurança numa estrada molhada são: reduzir a velocidade e ter muito cuidado com as manobras realizadas. Assim, deve-se manter o corpo relaxado para a moto andar normalmente e usar os freios de uma forma progressiva e não de uma maneira brusca. Além disso, deve-se acelerar suavemente e andar numa velocidade condizente com a recomendada, de modo a evitar derrapagens da roda traseira. Na realidade, dobre todas as medidas… Freie com o dobro da distância, acelere com o dobro de tempo, e use metade da velocidade normal, faça as curvas com metade da inclinação normal. A regra é realizar movimentos lentos e longos evitando trancos e solavancos. Evite andar com os pneus da moto em cima das faixas brancas do corredor entre os carros, pois elas são extremamente escorregadias.

 

No caso, frear a motocicleta e não escorregar na pista molhada exige a distribuição entre os freios dianteiro e traseiro. O adequado é que essa proporção seja de 70% na roda dianteira e 30% na roda traseira, porém sempre de modo gradual e contínuo.

 

A aquaplanagem, por sua vez, acontece menos com um pneu de moto arredondado do que um pneu de automóvel, mas, quanto maior for a velocidade e o tamanho do pneu, maiores serão as possibilidades de aquaplanar. Os pneus de chuva têm mais furos que os pneus secos de alto desempenho para escoar melhor a água, o que faz com que criem mais aderência com a estrada.

 

 

  • A visão do motociclista e a visibilidade da moto

 

 

Quando as condições climáticas são desfavoráveis para a condução de uma moto, os motociclistas devem deslocar-se para o centro da faixa de rodagem, de modo a serem vistos por todos os condutores que circulam na estrada.

 

Tenha em mente que devido à cortina de água resultante da chuva e pelo embaçamento dos vidros dos carros, os condutores dos automóveis também podem ter muitas dificuldades de visão. Assim sendo, é necessário manter os faróis da sua moto sempre ligados para ver melhor e para ser visto e identificado por todos.

 

Os óculos ou lentes amarelas e alaranjadas também podem auxiliar o contato visual com um motociclista, especialmente na condução durante a noite, pois fazem com que o ambiente seja mais claro e não tão soturno. As cores refletivas e de alta visibilidade são também muito importantes pois identificam o motociclista e mostram o local que ele ocupa na estrada. É por isso que os capacetes e os trajes térmicos têm muitas cores fluorescentes e brilhantes!

 

 

  • Os ventos e as trovoadas

 

 

Existem vários tipos de motos com carenagens muito leves e estas geralmente são mais suscetíveis aos ventos laterais. Dessa forma, é necessário que o motociclista se incline ligeiramente contra o vento para se manter equilibrado. No entanto, deverá estar pronto para compensar essa ligeira inclinação se o vento parar subitamente.

 

Tenha também em mente que não é aconselhável andar de moto quando está a trovoar, principalmente se estiver na zona de ação dos relâmpagos, uma vez que existe a possibilidade de ser eletrocutado.

 

E aí pessoal… Gostaram? Comentem e nos digam: Que outras precauções devem ser tomadas em um dia de chuva forte, quando se pilota uma moto?

 

Lembrando que semana que vem tem mais.

Mag-Abraços e até a próxima!

ago
26
2015

#MagTracks – Joe Satriani

“Vejo a estrada se abrir para mim, sinto o calor / Vou para onde eu quiser, quando eu quiser, tenho que ser livre / Apenas quero pegar minha moto e acelerar” 

 

Som pesado e elaborado, essa é a música certa para qualquer rolê! A MagTrack de hoje fica por conta de Joe Satriani, e a canção “Ride” – A guitarra virtuosa, repleta de solos rápidos e complicados, pode não parecer uma associação óbvia com as motos, mas Joe Satriani não se importa muito com isso e compôs esse hino estradeiro. Três anos depois, repetiria o tema ‘motocicleta’ na instrumental “Motorcycle Driver”.

Gostaram? Já já tem mais!

Mag-Abraços e até a próxima.

ago
25
2015

Guiando na chuva – Um guia para as estações molhadas (Parte 1)

Olá amigos do Blog Nação Duas Rodas! Hoje temos mais um guia simples, para quem está começando a pilotar diariamente e ainda não está acostumado com as chuvas torrenciais, que podem durar horas e até dias.

 

Dependendo da sua experiência de condução, habilidade, preparação e tolerância ao risco, conduzir uma moto ao vento e à chuva pode ser um desafio divertido ou assustador se não forem tomadas as devidas precauções. Entenda como conduzir uma moto ao vento e à chuva e colabore para sua segurança de todos no trânsito.

 

 

Condução ao vento e à chuva: um processo de aprendizagem

 

Alguns motociclistas evitam conduzir ao vento e à chuva, e até andar de moto no inverno em áreas com muita precipitação anual. No entanto, mais cedo ou mais tarde, todos os motociclistas acabam precisando enfrentar as más condições atmosféricas contra ou a favor da sua vontade.

Quando surgir a necessidade de conduzir sua moto debaixo de chuva e ventos fortes, deve-se pensar que isso faz parte de um processo de aprendizagem único que lhe vai permitir desenvolver novas habilidades e competências como motociclista. Andar de moto nessas condições é sim um desafio que separa os bons dos maus condutores: Quando os ventos estão fortes e chove muito, as corridas de MotoGP não são canceladas, o que significa que a máquina e o homem conseguem se adaptar às exigências do mau tempo.

 

 

Quais os acessórios indicados para conduzir uma moto ao vento e à chuva?

 

Se existem momentos em que a maioria dos pilotos concorda com a escolha de um capacete que cobre toda a cara, andar debaixo de chuva é seguramente um deles. Sem proteção facial, as gotas de água da chuva e os ventos fortes parecem picadas de abelhas quando o motociclista viaja a uma velocidade mais elevada.

Por outro lado, ter roupa apropriada também é vital para combater a chuva e as fortes correntes de vento que se sentem ao guiar uma moto. Existe equipamento próprio para andar de moto no inverno, como os trajes térmicos, as balaclavas, as luvas e os calçados com sola de borracha, entre outros acessórios, mas o mais importante é que o motociclista se mantenha sempre quente e confortável para viajar com a máxima segurança.

 

 

Tenha em mente que é sempre bom utilizar uma blusa interior de lã ou de poliéster para ficar mais protegido do frio e da chuva. Assim ficará o mais aconchegado possível e por conta disso cometerá menos erros.

Quando os meses frios estiverem se aproximando, será necessário testar o seu equipamento num dia chuvoso perto de casa, pois ao fazê-lo conseguirá conviver bem com a chuva e com o vento em vez destes estragarem o seu dia e a sua viagem.

 

Gostaram? Na próxima edição vamos falar de mais aspectos de pilotagem que se deve levar em conta ao guiar uma motocicleta sob vento forte e chuvas.

Mag-Abraços e até a próxima!

ago
21
2015

Uma ponteira de escape bem inconvencional

Essa moto tem um aviso bem claro à todos os motoristas que gostam de encostar na rabeta dos motociclistas. 

Brincadeiras a parte, essa bike tem uma ponteira de escape que usa a pressão dos gases para girar os barris falsos de uma metralhadora “mini-gun”. Irado né? Quem aqui ia gostar de ter um?
A fábrica dessas ponteiras fica nos Estados Unidos, e elas são produzidas especialmente para choppers e motocicletas customizadas. Mas a melhor parte nem é o movimento, ou o som completamente diferente: é o ganho comprovado de performance! Segundo o fabricante, com a compressão dos gases de escape acumulados na tubulação, é possível obter mais torque e alguns cavalos a mais… além de uma estética arrasadora e ímpar!

Gostou? Já já tem mais!
Mag-Abraços e até a próxima